By Redatora Ellune

Coaching: principais dúvidas sobre o processo

Há muitas dúvidas em torno do processo de coaching, que faz cada vez mais sucesso entre pessoas e empresas ao redor do mundo. Mais de 40% dos executivos americanos já passaram por um processo de coaching,  88% no Reino Unido e 70% na Austrália. Mas afinal, o que é coaching? Tire essas e outras dúvidas sobre o assunto:

  1. O que é coaching?

Coaching é uma atividade de desenvolvimento pessoal, na qual o “facilitador” (coach) ajuda uma pessoa (coachee) a evoluir em algum aspecto da vida ou carreira, de forma encorajadora e positiva. O conceito surgiu em 1830, na Universidade de Oxford, quando um tutor particular ajudava alunos a se prepararem para uma determinada matéria.

  1. Por que o processo de coaching é efetivo?

Há muitos motivos, dentre eles estão: troca de experiência com foco no cliente; criação de um ambiente de desafio intelectual; suporte emocional; criação de um ambiente seguro e de total confiança; ritmo de execução e feedbacks mais objetivos.

Além disso, o coaching proporciona liberdade, livrando o coachee das amarras de crenças que limitam a capacidade de reflexão. Isso ajuda a tomar decisões, abrir a mente, e caminhar rumo aos objetivos de uma forma mais livre.

  1. Quem contrata um coach?

Proprietários, consultores, CEOS, gerentes, profissionais liberais, profissionais do ramo criativo, atletas, estudantes, concurseiros e qualquer pessoa que precisa de ajuda para alcançar um objetivo específico.

  1. Quais são os objetivos do coaching?

O foco é sempre o coachee, no crescimento dele, por ele e para ele. Com isso o coaching tem por objetivo proporcionar autoconhecimento; promover equilíbrio entre vários aspectos da vida; ajudar na libertação de crenças limitantes; ajudar a realizar sonhos e encontrar propósitos na vida; ampliar a capacidade de pensar, se comunicar e agir; possibilitar maior produtividade e lucratividade; e ajudar a desenvolver relacionamentos saudáveis e positivos.

  1. Quais são os benefícios do coaching?

O processo permite que o coachee conheça melhor a si mesmo, descubra quais são os valores e princípios que possui e desperte para encontrar o próprio caminho até o objetivo final. Isso é possível ao encontrar objetivos mais recompensadores; acelerar o desenvolvimento pessoal e profissional, tornar o raciocínio mais rápido e claro; criar uma vida com mais sentido; e facilitar o aprendizado e assimilação do que é novo.

E então, ficou mais claro o que é esse processo e como ele pode te ajudar em todos os âmbitos da vida?

By Redatora Ellune

Coaching para educadores   

 

Todo mundo tem um professor que marcou a vida. Em quem você pensou? O que você gostava nele? Os educadores, em geral, se destacam pela didática ao ensinar um conteúdo e também pelo incentivo que dão a um aluno ou a uma turma. Mas nem todos eles têm essas qualidades, tão importantes nessa profissão!

O coaching para professores e educadores tem a função de passar uma nova visão a esses profissionais, a fim de que eles se comportem como coaches em sala de aula. A ideia é que esse educador consiga potencializar a aprendizagem do aluno, deixando o ensino mais eficaz, tanto técnica, quanto comportamentalmente. Isso porque ele passa a se preocupar com habilidades e competetências que, normalmente numa formação, são deixadas de lado. Até mesmo na formação de um professor foca-se muito mais na área em que ele precisa se especializar (matemática, geografia, alfabetização…) e não há uma preocupação tão grande com a formação do aluno enquanto ser humano.

Esse processo pode ajudar um professor a aumentar sua performace em sala de aula, aumentando cada vez mais o nível de atenção que ele prende dos alunos e também a potencializar esse aprendizado. A partir do momento que o profissional começa a entender como cada aluno funciona e como ele é capaz de aprender, tudo fica mais fácil de uma certa maneira! A técnica de fazer perguntas,  por exemplo, é uma boa experiência porque passa a aumentar a capacidade de aprendizado do seu aluno que se esforça a pensar e pesquisar sobre determinado assunto. Isso muda a lógica de que o professor é aquele ser único que tem as respostas certas de tudo!

Algumas técnicas utilizadas no coaching trabalham também a motivação do próprio profissional, para que ele consiga enfrentar dificuldades no ambiente de trabalho e a ser mas flexivo em algumas situações.Os educadores que estão no início da carreira também veem no coaching um processo interessante que ajuda o profissional a estruturar seu modo de dar aulas, dentro, claro, dos métodos de cada ensino.

Viu quantas coisas um coach pode fazer junto com você?

By Redatora Ellune

Como alcançar uma sociedade lucrativa

Se você tem uma empresa ou pensa em abrir uma, já deve ter cogitado, em algum momento, ter um sócio. E aí os pensamentos vão muito longe… “Mas quem seria ideal para ser meu sócio? O Mateus é meu amigo de infância, me conhece melhor que ninguém. Ah, mas tem a Júlia, ela entende muito de marketing. E o Roberto? Poderia dar certo…”. Por todas as possíveis consequências, esta escolha se torna muito difícil. Assim, é preciso pensar e analisar alguns pontos.

Pense numa sociedade como um casamento de sucesso. O motivo da escolha por uma pessoa ao invés de outra precisa ser, necessariamente, pelos princípios e valores que ela carrega. Eles precisam ser os mesmos que o seu. Isso porque vocês precisam querer chegar ao mesmo lugar, ou seja, focar em um objetivo e seguir em uma mesma direção. O erro, muitas vezes, é escolher um sócio (ou um esposa/esposa) apenas por afinidade de comportamento. No caso do Mateus, seu amigo de infância e que te conhece bem, o propósito dele em ter uma empresa seria o mesmo que o seu? Lembre-se que tanto uma empresa quanto um casamento vão muito além do que apenas a convivência do cotidiano.

Quando nem você nem seu sócio sabem qual o propósito da empresa, essa diferença de pensamentos só vai aparecer diante de um problema. Por isso, se ainda não há essa clareza na missão do negócio que você abriu, sente com seu sócio e repense. Isso tem que ir muito além do propósito de vida pessoal de cada uma das partes, precisa ser compartilhado para ser a missão do negócio de vocês.

Outro ponto que merece atenção nesse processo de escolha é ter uma sociedade com pessoas com personalidades muito parecidas. Ué, como assim, Alê? Pare pra pensar na nossa tendência em conviver apenas com quem se parece com a gente. Normalmente é mais difícil trabalhar com quem se posiciona diferente em alguma situação ou que faz coisas diferente de nós. Pessoas muito parecidas em uma sociedade não geram equilíbrio. Em tudo o que você é bom, seu sócio também é. Aquilo que você não domina, ele também não. Você faz um trabalho de um jeito e ele do mesmo modo. Percebe? Alguma área da empresa vai sentir essa falta de equilíbrio. Por isso, pessoas com comportamentos diferentes (e propósitos iguais) podem ser boas opções.

As competências do seu sócio devem ser avaliadas antes de uma oferta de sociedade. Pense, por exemplo, se a Júlia, que, assim como você, sabe muito sobre marketing, seria responsável também pelo financeiro. Analise o que seu sócio traria para o seu negócio, tanto em termos de competência e comportamento, quanto em parcerias e networking.

Depois dessa análise de quem pode ser seu sócio, precisa ser muito bem definido o papel e as responsabilidades de cada um de vocês na empresa. Isso facilita na hora de visualizar um problema e entender quem é o responsável por resolvê-lo. Coopera também com a boa convivência, uma vez que nenhuma das partes precisa ter receio de cobrar algo. Se seu papel na sociedade é administrar uma loja de roupas, por exemplo, e o Roberto é a parte responsável pelo atendimento aos clientes, não será ele quem vai resolver um problema com as contas do local. O papel dele pede que ele seja receptivo, atenda bem ao cliente e consiga vender.

No meio de toda essa sociedade e todos os problemas que surgem durante o dia a dia, ainda tem o principal: o dinheiro. É aí, muitas vezes, que os problemas aparecem. Por isso, a divisão de lucros é um dos principais pontos a serem esclarecidos. É uma empresa que está começando agora? Será uma divisão igualitária? Ou é um negócio já estruturado, com alguns clientes, etc.? Como será a porcentagem de ganho? Qual a perspectiva de ganho com a sociedade?  Tudo isso precisa ser estabelecido e resolvido de maneira justa e confortável para ambas as partes.

Sendo o Mateus, a Júlia ou o Roberto, o imprescindível é que tudo seja bem definido, tanto as funções e a divisão de lucros, quanto o propósito. Só assim, uma sociedade pode ter sucesso! Está pronto para pegar este caminho?

By Redatora Ellune

3 dicas para estruturar seu negócio

Se você já pensou em ter seu próprio negócio e tentou colocar na ponta do lápis, já deve ter percebido que estruturá-lo não é nada simples. O planejamento que antecede a concretização de um negócio é essencial, mas pouca gente sabe que, o negócio é fundamentalmente o empreendedor.

Antes de abrir uma empresa, é necessário que se tenha um alto grau de autoconhecimento. Isso porque as decisões de negócio serão muito parecidas com as decisões pessoais. O empreendedor precisa ter o conhecimento de suas características pessoais e saber até que ponto ele é capaz de ir. Separamos três passos essenciais para começar a estruturar seu negócio. Será que você pulou algum desses passos?

 

Alinhando propósitos

É importante ter um alinhamento entre o seu propósito de vida e o propósito do seu negócio. Se você vai abrir uma empresa, precisa ter a  clareza do porquê está fazendo isso, do porquê dela estar nascendo, qual a razão de existência. Isso está entrelaçado com a sua própria missão. Saiba que esse alinhamento facilita o equilíbrio dos processos internos da empresa e evita muita dor de cabeça.

 

Entendendo seu público

Do que adianta uma boa ideia se ela não atinge quem vai gostar dela? Antes de “ir fazendo”, você precisa gastar um tempinho estudando seu público. Saiba qual a necessidade do seu cliente e se sua ideia atende os interesses dele. Para isso, o melhor caminho é falar diretamente com essas pessoas: o que eles dizem? o que eles pensam? o que eles gostariam?

Esse tipo de estratégia é mais fácil do que criar uma demanda que ainda não existe. Conhecendo o que seu público deseja/precisa você pode voltar na sua ideia inicial e lapidá-la, para que ela já seja inserida no mercado atendendo as necessidades do seus clientes.

 

Antes de sair do papel

Parece antiquado, mas estruturar seu negócio no papel é um ótimo método de planejamento e isso aumenta a chance de sucesso. Ao contrário do que pensamos, planejar vai além de “como será meu negócio”. Um bom planejamento antecipa alguma necessidade e até um tipo de correção que o negócio possa precisar mais para frente.

Como já indicamos, o Canvas é uma ferramente que te ajudar a enxergar os nove pontos fundamentais de um modelo de negócio. É possível olhar os campos da sua empresa e como eles se relacionam, o que diminui o risco de erro. Com o Canvas você consegue criar e até mesmo inovar seu negócio, antes mesmo dele sair do papel. Clique aqui e aprenda a fazer o seu!

Deu para dar uma clareada nas ideias empreendedoras por aí?

 

Coaching: principais dúvidas sobre o processo
Coaching para educadores   
Como alcançar uma sociedade lucrativa
3 dicas para estruturar seu negócio